sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"TERRITÓRIO RETOMADO. CÂMBIO, DESLIGO"

Enviado por Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa, artigo publicado no blogdonoblat -
26.11.2010
| 16h09m
artigo

Perfeito. E depois?

O problema, como em tantos momentos de nossas vidas, é o depois. Na vida particular assim como na vida cidadã, a pergunta que se impõe é: e depois?

Sabem por que me preocupa o depois? Porque as autoridades e os cientistas políticos – ah! os cientistas políticos! – misturam informações e declarações do maior bom senso com frases feitas que impressionam.

Por exemplo, quem garante que esta é a primeira vez que a população está a favor da autoridade? Quem criou essa versão?

Morei 16 anos em São Conrado, bem perto da Rocinha, e moro há 12 aqui nas fraldas do Borel. E sempre vi, nas pessoas que moram nessas comunidades, uma tremenda angústia por estarem sujeitas a um comando indevido.

Além de um total descrédito nas autoridades que formam esse mesmo Estado que agora resolveu agir de forma diferente e bem planejada.

Hoje todos só vão falar nisso e não serei eu a trazer alguma informação nova, ou alguma opinião que valha ser registrada.

Mas não quero deixar de agradecer à tenacidade, persistência e coragem do secretário Beltrame; a José Padilha que deu aos meninos de hoje um herói por quem torcer (embora concordando com Merval Pereira: será um bom sinal?) e a quem respeitar; e à Marinha do Brasil que, generosa e amiga do Rio, não se furtou a ajudar nossas polícias.

Discordo de quem diz que pela primeira vez os habitantes das favelas torceram pelo lado do Bem. Tenho certeza que se dão essa impressão, é pela desilusão que está instalada em suas almas.

Meu maior medo é justamente esse: que os moradores da Vila Cruzeiro voltem a se desiludir, quando o que eles querem é aquilo que todos nós queremos: esgoto sanitário; casas seguras; água encanada; luz elétrica; acesso livre para os entregadores de botijão de gás, carteiros, ambulâncias; creches e escolas para as crianças; postos de saúde; quadras de esporte; distritos policiais acolhedores.

Eles não gostam de viver à margem da Lei, "gateando" tudo para poder sair pelo menos um bocadinho do século XVIII onde ainda sobrevivem.

Querem recuperar sua dignidade perdida. Querem ser respeitados como cidadãos e lembrados todos os dias de todos os anos e não somente nos meses que antecedem eleições.

Deus permita que desta vez o Estado, ao retomar esse território de há muito abandonado, cuide dele, zele por ele, seja correto com ele.

Que o Estado seja decente. É essa a palavra. Decente.

 

Um comentário:

Rainha M.P disse...

Concordo com todas as palavras colocadas pela senhora Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa, e acrescento que não só a população está acreditando em toda essa bela versão de que tudo vai mudar.
Mas pela primeira vez podemos ver nos olhos dos Militares e de muitas Autoridades, que eles realmente acreditam nisso!
Só o que me pergunto é o porquê de só acreditar agora?
Pois sempre tiveram o poder nas mãos, mas optaram a não fazer nada, esperando assim que a situação torna-se o que se vê hoje pelas ruas do nosso Rio de Janeiro.
Vamos esperar e torcer para que o depois seja a permanência da autoconfiança de ambos.
Deixo um abraço carinhoso no amigo Luis turiba.`
Ótima matéria!
MEL SAMPAIO...