domingo, 10 de maio de 2009

BIC PRADO, a nudez da poeta sacerdotisa

Luis Turiba

Vamos conhecer novos poetas?

A partir desta semana, o blogdoturiba apresentará a vocês, alguns poetas de importância vital na construção da contemporânea cena poética brasiliense e brasileira neste início do século XXI. Poetas que se firmam em uma Brasília, cidade de apenas 50 anos.

Para abrir esta série que ouso chamar de “Reportagens Poéticas”, a escolhida é a brasiliense Bic Prado, cuja linguagem, um pouco minimalista e transbordantemente ecológica, nos remete a uma paisagem rural dentro de um mundo de lógica urbana. Em suas apresentações, Bic se auxilia de cânticos, atitudes ousadas, caixas sonoras e roupas camponesas.


Bic Prado foi parceira numa performance poética que fizemos num Concurso de Poesia da Funarte. Para que eu recitasse um poema sobre a arte de comer sushi, ela entrou nua e cobriu-se com um enorme barco do prato japonês. Ficamos em segundo lugar. Foto de Marcelo Dischinger

Vem aí seu primeiro livro

Inédita de livros mas veterana em performances e recitais poéticas, Bic está prestes a publicar seu rebento de estréia: “Poemas de um livro verde”, a sair pela coleção Oi Poema, com o apoio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da Secretaria de Cultura de Brasília.


Quem é Bic?

É ela mesmo quem se apresenta: “Nasci em Brasília, Fabiane Prado Silveira, sou conhecida por Bic e adotei o Prado em homenagem a meu avô, Onofre, Pioneiro. Este meu primeiro livro surge a partir de temáticas ambientais, revelando momentos simples e cotidianos da cidade e do campo.

Para certos poemas, foram criadas melodias, algumas inspiradas em embriões melódicos de aves silvestres. Meu trabalho busca o envolvimento e a participação direta com o público e o compartilhar de idéias e reflexões sobre a vida.”



Apresentação do seu livro


Seu livro que está no prelo para sair no início do segundo semestre, terá apresentação de Ciro Inácio Marcondes. Diz ele num texto que deu como título “A odisséia natural”:

“Bic também se desdobra sobre uma poesia de extrema aglutinação, inspirada em cantigas, quase-mantras, sempre de olho na essência, naquilo que a verborragia não pode captar, em categorias de vasta amplitude. É neste momento que a técnica sinestésica da poeta deflagra a conexão entre todas as coisas, quando tudo remete a tudo, e quando tudo que existe pode dialogar: “Chão de céu / Céu de rio / Rio de sol / Raio de vôo / Vôo de avô/ Ave”.

Aqui, Bic perpetua sua odisséia pelas coisas dadas da natureza, atrás de um saber ancestral, mitológico. Se, em determinados momentos, suas mensagens são diretas, até coercitivas, denunciando o escandaloso avanço da urbanidade, em outros, as vias atingidas são inconscientes: “Pá na pedra / Pé na palavra / Diz”. A ausência de conectivos, a utilização de versos curtos, não-pontuados, de palavras isoladas, traduz este retorno ao essencial, que não se alonga e se basta.

E finaliza: “A maturidade da poesia de Bic (mesmo quando procura o prisma universal do naïve) reside, portanto, na seriedade de seu compromisso com a própria realidade. Seu entendimento do mundo supera de longe a medíocre vivência do aqui-e-agora, da efemeridade tola e abstrusa da vida moderna, encontrando na poesia um elo para amarrar as infinitas e invisíveis conexões de forças eternas, mutáveis e imutáveis, que encontramos na natureza. O que não a impede de se abrir também ao lugar-comum poético, voltando-se também para as “tolices” dos sentimentos humanos, coisa que seus versos exprimem melhor que minhas palavras: “Hoje / Um beijo / Seria uma flor se abrindo / No céu da boca”. É aptidão para poucos ir do ínfimo ao infinito, o que me permite pensar na poeta Bic Prado como uma espécie de sacerdotisa para esta odisséia do que constitui o mundo, em suas riquezas e em seus lixos.

3 comentários:

luis turiba disse...

turiba, tento colocar comentario mas não aceita... o material da bic ficou lindo...uma maravilha.
valeu.
abraços,niki

Luis Turiba disse...

Cristiane escreveu:

Parabéns Turiba,

Ficou excelente a matéria sobre a Bic

O blog está bem criativo, bem humorado, a sua cara.

Bjs

Cristiane Sobral
Atriz, escritora e arte-educadora
crisobral@uol.com.br.

Anônimo disse...

Bom novos espaços para divulgar nossos trabalhos poéticos.

Seu blog está muito bem recheado, sempre com novidades inteligentes.

Abraço forte!

Bic