terça-feira, 15 de setembro de 2009

PAULO TOVAR, POETA QUE PULSOU COM BRASÍLIA


Luis Turiba

 

"Até logo! Até logo! Companheiro

Despeço-me sombrio e te asseguro

O nosso afastamento passageiro

É sinal de um encontro no futuro"

 

 

É sempre assim: quando um poeta descansa, toma seu rumo e pede passagem; é mais um verso que se faz lágrima na plumagem. Quando um poeta escorrega para a lembrança, é como a fumaça ou quem sabe, uma rima pobre na busca do rico milagre.

Com Paulo Tovar não será diferente. Ele também contribuiu para o Livro Universal da Poesia. Poeta andarilho, quase um Bashôzinho buscando seus caminhos nos campos de arroz pelo cerrado do Planalto Central, ele foi uma figura presente e marcante da nossa geração em Brasília. Juntou-se a nós (Nicolas Behr, Renato Matos, Haroldinho Matos, Neio Lúcio, Wagner Hermuche, Noélia. Paulo Djorge – vou parar nessa simbólica meia dúzia de três ou quatro) nessa caminhada que começou ali no início dos anos 80, no gramado da 310 Sul, nos Concertos Cabeças, e terminou agora depois de quase três anos de uma incansável luta contra um câncer no cérebro.

Tovar não passou em vão por esta trilha estreita, seca e breve que é nossa existência. Deixou seu carimbo. Fez poesias, músicas, parceiros, deixou filhos, amores, venceu festivais, criou polêmicas, plantou árvores. Tive a notícias da sua partida no início da noite de ontem. Ele havia sido levado para o hospital já totalmente inconsciente, com falência múltiplas dos órgãos. Era a viagem sem volta. O poeta iria descansar. Hoje, recebi muitos i-meios e certamente a internet será o canal ideal da sua despedida de tantas lembranças guerreiras.

Entre as mensagens, escolhi a de Paulo Timm, ex-secretário de Meio Ambiente do governo Roriz, economista, professor da UnB, também poeta como nosostros, ele escreveu:  

"Não há como falar do Tovar sem falar em música. E não há como falar de sua morte sem emoção. E me ocorre uma bela e comovente canção - acho que do Chico Buarque ou cantada por ele, o Tovar sempre me criticava por entender pouco de música- , que diz: "Em Mangueira quando morre um poeta, todos choram". Pois hoje Brasília está transformada numa imensa Mangueira, toda verde e rosa chorando a passagem de um de seus maiores poetas: Paulo Tovar   

Timm foi companheiro de Tovar em Olhos D´Água, assim como Áurea Lúcia, Renato Matos, Bic Prado e tantos outros. Conviveram com o poetinha no interior do Goiás, cuidando da terra e das águas.

Timm escreve: "Vai com a tua Juriti encantar novos caminhos. Fica apenas meu testemunho da tua condição humana, da tua alma frágil que jamais se deixou seduzir

pelo desencanto de um mundo, que de tão cruel te marcou tanto, com tantas cicatrizes."

Façamos nossas, as sua palavras, professor. Paulo Tovar venceu o 1º Festival de Música da CUT Nacional. Inventou o poema-óculos; o "H2OlhoS", uma criação genial que ele vendia de bar em bar. Tinha sempre um projeto debaixo do braço e uma idealização na cuca, um jeito dengoso de ser e uma angústia no viver.  

.



MARCO ZERO VENCEU O FESTIVAL DA CUT

(Paulo Tovar / Haroldinho Mattos)

Quando não havia torre, lago ou rodoviária

Que o Eixão era somente uma forma imaginária

A ciriema cantava solene compenetrada

Vacas e bois ruminavam no meio da Esplanada

Partiu-se de um ponto

Traçaram-se as retas

Cruzaram-se os eixos

Riscaram-se os mapas

Somaram-se os números

Mediram-se os ângulos

Ligaram-se as máquinas

Rasgaram-se as ruas

Quando não havia ainda

Samambaia e Setor P

Quando lobos farejavam

Nos campus da UnB

E tatus faziam túneis

Muito antes do metrô

Tropeiros e comitivas

Arranchavam livremente

Onde se fez o Palácio

Onde se fez... a Rodô

Partiu-se de um ponto

Traçaram-se as retas

Cruzaram-se os eixos

Riscaram-se os mapas

Somaram-se os números

Mediram-se os ângulos

Ligaram-se as máquinas

Rasgaram-se as ruas

Quando só havia mesmo

Este céu por testemunha

Quando tudo que se via

Era o vasto chapadão

Seguidores de estrelas

Caçavam pedras e índios

Muito antes de Ana Lídia

Ou da forma... do avião

Partiu-se de um ponto

Traçaram-se as retas

Cruzaram-se os eixos

Riscaram-se os mapas

Somaram-se os números

Mediram-se os ângulos

Ligaram-se as máquinas

Rasgaram-se as ruas



--

13 comentários:

Anônimo disse...

Fiquei surpresa da partida do nosso querido Paulo Tovar, foi belo e poetico, reafirmo as palavras do Paulo Timm, parabens Turiba pela publicação no seu Blog

Anônimo disse...

TURIBA BELAS PALAVRAS E ME EMOCIONOU MUITO A PARTIDA DO PAULO TOVAR

Anônimo disse...

tovar se foi né?
bom camarada
agora é cantar pra subir

te ligo mais tarde

resa

Anônimo disse...

tovar se foi né?
bom camarada
agora é cantar pra subir

te ligo mais tarde

resa

rubao disse...

Trova Tovar
Ave-rara do planalto
Quero vê-lo
Altos voos alça

Até breve,meu amigo.

Rubens(216 norte)

Ps.Obrigado,Luís,pelo espaço.

Mamcasz disse...

Cumpadi, ele se foi.
Mas no meu brógui, disse que não.
Paulinho agora andarilha nos céus de Brasília.
Só não vá ele cair em cima da minha cabeça.
E o pior.
Soube da morte do Tovar no Correio na página DIVIRTA-SE!
Abss

http://mamcasz.wordpress.com

Rhosanna disse...

Olá!
Me emocionou muito seu comentário, Turiba...
Fiquei muito surpresa e triste com a partida do nosso querido Paulinho Tovar...ahhh adolescência maravilhosa com essas feras...Nicolas, Paulinho e etc...Grandes cabeças e pessoas lindas......
Voa Paulinho...pra onde vc sempre quis....no melhor.....

Rosana/Brasilia

Deliane Leite disse...

Linda homenagem a Paulo Tovar. Tenho um desses óculos aqui em casa. Comprei dele em um Festival no Cine Brasília, que despojamento... Me marcou demais!
Abs,
Del.

Anônimo disse...

Bom dia Turiba,

Fiquei muito emocionado em ver sua homenagem ao Paulo Tovar. Tovar era (é) meu tio e foi uma grande influência para mim desde criança. Onde quer que ele fosse, me levava com seu "mascote" no fim dos anos 70 e início dos anos 80. Seu amor pelas música, literatura e defesa do verde, ainda me acompanham até hoje e essa é essa paixão que tento resgatar e passar adiante para a garotada.
A única coisa que me incomoda bastante é o fato de não haver registro em seus álbuns da música Juriti e Qual é BSB, em sua voz. Será que um dia escutaremos tal material? Me parece que ele chegou a gravar um material após a sua cirurgia, mas o mesmo se perdeu...
Alguma idéia do que poderíamos fazer para descobrí-los?

Um abraço e parabéns novamente pela sinceridade na palavras.

Paulo Alberto Hummel.

Anônimo disse...

QUE FIM LEVOU
(Paulo Tovar)
...
Me diga como separar dois mundos
já que eu desconheço a forma de ser eu sem ser você?
O que de mim é seu?
O que de seu é meu?
O que de mim tu és?
O que de ti sou eu?
Não sei do que se foi,
e nem do que ficou,
parte de mim tu és
parte de ti eu sou...

Rosana Hummel

jorge amancio disse...

Um Axé breve a PAULO TOVAR
“...Tudo acaba me levando até seu onde, até seu quando...” (PT)


Tovar trovador Paulo
espírito do som regueiro
místico mítico andaluz
H2Olhos de todos nós
tudo é o recomeço

Semente da poeira de estrela
faça uma visita ao Cassiano
abrace o Ari, ria com o Mangueira
tem o Ita Catapreta, outros conhecidos
outros desconhecidos

Um bando de juritis
todos Tovar

Art disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Arthur disse...

Ao ver Paulinho no belo painel do Concerto Cabeças do Parque da Cidade (19/9/2010) ao lado de Batata, Nanduca, Renato Russo, Cássia Eller, Vitor, Cezinha, Adrenalina, que vim saber que meu querido poeta passara para o "Caminho Azul". Que susto! Cheguei em casa, corri para Internet: um ano! A gente fica protelando, esperando o depois e de repente se depara com a certeza da inexistência do depois. Bom, Tovar, repetindo as boas palavras do amigo Resa: "te ligo mais tarde".

Obrigado, Turiba, por esse espaço.
Arthur Costa